O que é a terapia de família e como ela auxilia no tratamento psiquiátrico?

4 minutos para ler

Nem todo problema é individual. Quando uma crise atinge pessoas que convivem, é fundamental buscar a solução pensada especialmente para esse grupo. Você já pensou em recorrer à terapia de família?

A proposta desse tipo de terapia é tratar um grupo de pessoas da mesma família, em vez de uma só. É uma alternativa recomendada diante de problemas que envolvam as interações entre essas pessoas e necessitem de uma intervenção que vai além da mediação para abordar os princípios da psicoterapia.

Neste artigo, você conhecerá mais a respeito do funcionamento da terapia em família e os benefícios que ela proporciona. Confira!

Como funciona a terapia de família?

Um dos principais objetivos da terapia familiar é a promoção do autoconhecimento em nível individual e coletivo. Esse tratamento possibilita que todos se conheçam suficientemente bem para evitarem novas crises e saberem como administrar as que já estejam ocorrendo.

Geralmente, essa terapia consiste em sessões de 50 a 60 minutos com periodicidade mensal ou semanal. Os membros da família se dispõem em um círculo para que conversem com o psicoterapeuta e entre si de maneira direta.

Como a terapia de família é fundamentada em objetivos concretos, é comum que, ao final da sessão, cada participante receba uma tarefa para executar em casa até o próximo encontro. Em geral, costuma ser um exercício em benefício do objetivo estabelecido para o tratamento como um todo.

Quais as categorias de terapia familiar?

A terapia de família se divide em alguns tipos, cujas técnicas variam. São os seguintes:

  • sistêmica — enxerga os problemas como falhas de interação entre as pessoas e busca trabalhá-las especificamente;
  • transgeracional — baseia-se em padrões perceptíveis que passam de geração a geração e causam reflexos disfuncionais na família;
  • estrutural — propõe uma mudança nas posições de cada membro da família para que seja possível repensar o problema sob ângulos diferentes;
  • estratégica — é mais prática e focada em um problema específico e em identificar os padrões que levaram até ele.

Quais problemas ela pode tratar?

Com múltiplas aplicações, a terapia de família é capaz de tratar problemas do grupo ou situações individuais que sejam impactadas pela influência de outras pessoas. Por exemplo, o tratamento de vício em drogas, alcoolismo, bulimia, anorexia, depressão e ansiedade. É possível que a raiz desses problemas esteja na família, então esse tipo de terapia servirá como aliado para desvendar tal fonte.

Outra possibilidade é tratar conflitos entre gerações, discordâncias e reflexos disfuncionais que se manifestam de diversas formas em famílias diferentes. O recurso em questão será um instrumento decisivo não só para solucionar esses problemas, mas também para descobrir de onde eles vêm.

Vale a pena fazer terapia de família?

Essa é uma ferramenta cujo uso depende da tarefa a ser executada. Quando se compreende que o problema tem fontes geracionais ou uma raiz que se cruza por conflitos entre familiares, trata-se de um caminho que deve ser considerado.

Só não enxergue a terapia familiar como uma alternativa à terapia individual. São duas abordagens diferentes que podem ser conduzidas em paralelo para tratar casos específicos. Uma pode complementar a outra.

Agora que você entende como funciona a terapia de família e as suas possíveis aplicações, já pode considerar essa solução caso precise dela. O convívio com os seus familiares deve ser sempre harmonioso, o que é fundamental para viver bem. Se esse equilíbrio estiver ameaçado, não hesite em procurar ajuda especializada.

Achou o conteúdo interessante? Então compartilhe-o em suas redes sociais para que mais pessoas aprendam sobre terapia em família!

Dra Karine Cunha

Sobre

O blog Dra Karine Cunha oferece os melhores conteúdos dedicados à saúde mental.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-
Share This