Sintomas psicóticos: conheça 11 sinais comuns da psicose

4 minutos para ler

A psicose é um transtorno mental caracterizado pela perda de conexão com a realidade, ou seja, trata-se um estado em que a pessoa percebe as coisas de uma forma diferente de como realmente são. É como se ela vivesse em dois mundos — o real e o imaginário — ao mesmo tempo, sem saber identificar cada um deles.

Apesar de ainda não serem bem compreendidas, algumas causas são apontadas, como fatores genéticos, alterações cerebrais, distúrbios hormonais ou de sono e alguns transtornos correlatos, como a esquizofrenia, depressão e transtorno bipolar, epilepsia, Alzheimer e uso de drogas.

Mas quais são os sintomas psicóticos mais comuns? Confira agora e conheça as principais formas de tratamento da psicose!

Os sintomas psicóticos

A psicose, geralmente, apresenta sintomas bastante característicos. Alguns são mais recorrentes, enquanto outros podem surgir ou não a cada episódio. Veja só!

Sintomas mais recorrentes

1. Delírios

Podemos definir os delírios como uma ilusão que a pessoa tem, principalmente de que forças externas querem o seu mal. Por exemplo, ela acredita fortemente que está sendo perseguida ou que há uma conspiração para prejudicá-la. 

2. Alucinações

Nesse caso, o indivíduo ouve vozes que não existem, além de sentir cheiros e até saborear coisas que não são reais. Ele também pode enxergar insetos, pessoas e várias outras imagens que não estão lá. As alucinações são as mais comuns, seguidas das outras 

Sintomas variáveis

Justamente por perder a conexão com a realidade, o indivíduo pode ter outras reações (tanto físicas quanto mentais) correlatas. Fique atento a alguns outros sinais e sintomas que caracterizam uma síndrome psicótica:

3. discurso desorganizado (trocando de assunto o tempo inteiro durante uma conversa);

4. comportamento desorganizado (alterando momentos de muita agitação e lentidão);

5. mudanças bruscas de humor (que se altera entre a felicidade extrema e a depressão em seguida;

6. agitação;

7. confusão mental;

8. agressividade com as outras pessoas e consigo mesmo;

9. insônia;

10. ansiedade;

11. falta de motivação.

O diagnóstico

Antes de mais nada, é preciso lembrar que apenas um profissional (um médico psiquiatra ou um psicólogo, nesse caso)  pode diagnosticar com segurança um quadro de psicose. Isso porque é preciso realizar uma investigação adequada, que vai abordar histórico familiar e de vida, relatos de comportamentos, doenças, uso de substâncias e outros fatores.

Além disso, ainda poderão ser necessários exames como ressonância magnética, tomografia computadorizada e exames de sangue — não para identificar a psicose, mas para descartar outras condições que possam estar causando uma psicose secundária.

As formas de tratamento

Infelizmente, a psicose não tem cura, mas pode ser tratada e, quando acompanhada corretamente por um profissional, entrar em remissão. Algumas opções de tratamento que ajudam a devolver a qualidade de vida ao paciente incluem:

  • uso de medicamentos antipsicóticos, que devem ser administrados da maneira indicada e serem acompanhados pelo médico, a fim de encontrar o tipo e a dosagem mais eficazes;
  • terapia psicológica, afinal, as psicoses trazem sofrimento ao paciente e é fundamental ajudá-lo a conviver com seu transtorno;
  • afastamento dos gatilhos já conhecidos, para evitar que ocorram novos episódios.

Por fim, a hospitalização pode ser necessária quando a psicose coloca em risco a vida do paciente e das pessoas ao seu redor.

Tanto a psicose quanto os sintomas psicóticos trazem grande sofrimento ao paciente. Por isso, além de ajudá-lo a buscar um profissional, é fundamental que os familiares e pessoas mais próximas não julguem e ofereçam sempre carinho e respeito. Esse apoio somado a um tratamento adequado, pode garantir uma qualidade de vida satisfatória.

Gostou deste post e deseja ajudar outras pessoas que podem estar passando por esse problema? Compartilhe o conteúdo em suas redes sociais!

Dra Karine Cunha

Sobre

O blog Dra Karine Cunha oferece os melhores conteúdos dedicados à saúde mental.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-
Share This